O primeiro móvel provavelmente foi a cama e a arca, seguido por móveis básicos, cadeiras, mesas e secretárias (escrivaninhas). Até a Idade Média e Renascença os móveis eram escassos e reservados especialmente a palácios e mosteiros. A especialização da concepção de móveis remonta ao tempo das fábricas do século XVII.

O ímpeto para a renovação e o aperfeiçoamento de interiores em geral e em particular do mobiliário para o uso das cortes surgiu inicialmente na França em meados do século XVII. Entre 1662 e 1667 durante o reinado de Henrique Navarra começou um programa de renovação e centralização do artesanato e das artes que foi prosseguido por Jean-Baptiste Colbert. Em 1662 foi fundada a “Manufacture Royale des Tapisseries et des Meubles de la Couronne”, resultando numa série de outras instituições similares. 

Em colaboração com academias de arte e ciência fundadas por Colbert se desenvolveu o estilo barroco utilizado na época de Louis XIV abrangendo estilisticamente toda Europa. Até o século XVIII, a França expandiu o design de móveis para toda Europa no estilo Louis XV e Louis XVI até o Empire.

​​​​​​​Os alemães Abraham e David Roentgen, moveleiros e marceneiros excepcionais do século XVIII eram requisitados em toda Europa. Novo impulso teve início com o movimento artístico na Inglaterra com “Arts and Craft” e a valorização das artes e ofícios propagada no início do século XIX, cujas idéias foram retomadas e desenvolvidas pelos designers do estilo Art Nouveau.

Ateliê André Dias